Faixa para motos é implantada em cruzamentos de Aracaju.Iniciativa foi incluída no processo de revitalização da sinalização horizontal.

‘Por serem ágeis, motos terão prioridade na abertura do sinal’, diz diretor.

A iniciativa foi incluída no processo de revitalização da sinalização horizontal das vias realizado pela Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito SMTT.O cruzamento das avenidas Francisco Porto e Jorge Amado, no Bairro Treze de Julho, é uma das vias que já receberam a nova sinalização. A intenção da SMTT é implantar as faixas em todos os cruzamentos que possuem semáforos, a começar pelas avenidas que tiveram a sinalização horizontal revitalizada após o recapeamento realizado pela Empresa Municipal de Obras e Urbanização Emurb, com o Programa ‘Rodando no Macio’.Para o motociclista Marcos Pereira, a novidade foi recebida com surpresa e alívio, pois com a pintura das faixas não haverá disputa de espaços com os demais veículos nas vias. “Antes tínhamos que parar junto com os carros e alguns motoristas não respeitavam as motos. Agora vai melhorar bastante para a gente”, disse.Segundo o diretor de planejamento e sistemas da SMTT, Francisco Navarro, a mudança prevê melhoria nos cruzamentos e ajudará na respeitabilidade ao motociclista. “As motos devem ser acomodadas nessas faixas preferenciais evitando que elas estejam entre os carros. Por serem mais ágeis, na abertura do sinal elas terão prioridade na saída diminuindo o risco de acidentes”, afirma.

viaG1 – Faixa para motos é implantada em cruzamentos de Aracaju – notícias em Sergipe.

VIAS DO CENTRO DE CRICIÚMA RECEBEM SINALIZAÇÃO

Textos: Colaboração Lucas Sabino / Decom

(Fotos: Colaboração Carol Dias)

A Autarquia de Segurança, Trânsito e Transporte de Criciúma (ATSC), revitalizou as ruas Engenheiro Fiuza da Rocha e Santo Antônio, localizadas no entorno da Praça do Congresso, na área central de Criciúma. Os serviços realizados pelos profissionais do órgão contemplaram a demarcação das faixas de pedestres e as canalizações.

De acordo com o presidente da ASTC, Giovani Zappelini, as ruas foram remarcadas para melhorar a visibilidade dos motoristas que trafegarem pelas vias oferecendo também maior segurança. “Aos poucos as vias centrais e de todos os bairros vão sendo revitalizadas, seguindo um cronograma estabelecido pelo setor de trânsito”, afirma.

Zappelini explica que conforme o Conselho Nacional de Trânsito (Contran), as marcas de canalização são usadas para regulamentar os fluxos de veículos nas vias propiciando maior organização no trânsito.

viaVias do Centro de Criciúma recebem sinalização – Geral – A Tribuna.

Buraco sem sinalização gera prejuízo para 8 motoristas em Araraquara, SP

Representante comercial reclamou que teve dois pneus furados na quinta.

Cratera abriu com a chuva e será tapado neste sábado (1), diz Prefeitura.

Do G1 São Carlos e Araraquara

Comente agora

 

Buraco sem sinalização deu prejuízos a motoristas de Araraquara (Foto: João Soares Júnior/Arquivo Pessoal)

Um representante comercial de Araraquara (SP) reclamou que teve dois pneus furados e duas rodas danificadas por causa de um buraco não sinalizado no bairro Jardim Indaiá. Ele disse que o problema aconteceu na quinta-feira (30) e que motoristas de outros oito veículos também teriam sofrido transtornos.

O buraco fica na Rua Lázaro Mendes Ferreira. João Soares Júnior tirou fotos do local e dos prejuízos que teve e enviou ao Jornal da EPTV.  “Eu passei, os pneus estouraram, parei logo a frente e já tinha 3 carros parados com o mesmo problema. No tempo que fiquei lá aconteceu o mesmo com uns oito carros. Moradores do local foram nos avisar que aquilo estava acontecendo desde a manhã e que uma pessoa quase caiu de moto”, disse.

O local foi sinalizado no mesmo dia, mas o buraco permaneceu aberto.  Ferreira disse que já procurou um advogado e deve pedir o ressarcimento dos danos. “Registrei boletim de ocorrência. Tive que acionar o seguro para guinchar o carro e vou gastar pelo menos R$ 1 mil”, reclamou.

A Secretaria de Obras Públicas da Prefeitura de Araraquara informou que o buraco foi aberto por causa das fortes chuvas e que ele será tapado neste sábado (1).

viaG1 – Buraco sem sinalização gera prejuízo para 8 motoristas em Araraquara, SP – notícias em São Carlos e Região.

Placas de sinalização para a Copa são pichadas em Brasília

Peças começaram a ser instaladas no último dia 10 de maio.

Remoção de pichação custa R$ 50 a hora, segundo o GDF.

Káthia Mello

G1 DF

25 comentários

A Subsecretaria de Infraestrutura do Distrito Federal identificou, nos últimos três dias, pichações em quatro das novas placas de sinalização que Brasília está recebendo para a Copa das Confederações e o Mundial de 2014. As placas pichadas ficam na área central, próximo à Rodoviária do Plano Piloto. A instalação da sinalização, escritas em português e inglês, começou no dia 10 de maio em vários pontos da cidade.

Placa instalada no Eixão sem pichação (acima) e a nova sinalização na área central de Brasília (abaixo) pichada (Foto: Gabriella Julie/ Reprodução Tv Globo)

O assessor especial da pasta, Aldi Roldão, afirma que o vandalismo registrado nas novas placas pode ter sido praticado por uma gangue de pichadores. “O vândalo procura a notoriedade com esse tipo de ato e ficar famoso no meio deles. Assim que tiver as fotos das placas danificadas vamos procurar a polícia para tentar identificar esse grupo”, disse.

saiba mais

Área central de Brasília passa por faxina para apagar pichações

Grafiteiros se unem contra pichações no Distrito Federal

TJDF manda pichadores fazerem até 230 horas de serviço comunitário

Segundo a pasta,  a remoção simples de uma pichação pode custar cerca de R$ 50 por hora de trabalho. Se o dano for maior e houver necessidade de substituição da placa, o custo pode chegar a R$ 500. Ainda não foi definida a data em que será realizada a limpeza das placas.

Segundo Roldão, até o dia 15 de junho serão colocadas 500 placas. O custo total da sinalização especial é R$ 1 milhão, entre material e mão de obra. As peças bilíngues indicam os caminhos para o estádio, Aeroporto JK,  rodoviária, hospitais, setor hoteleiro e paradas de ônibus. A nova sinalização da capital vai  reforçar  indicações já existentes e auxiliar turistas que vierem assistir aos eventos esportivos internacionais.

Pichadores na justiça

O 3º Juizado Especial Criminal de Brasília acatou proposta do Ministério Público e determinou que cinco suspeitos de pichar uma passarela na Asa Norte limpem o local às próprias custas, além de cumprirem entre 180 e 230 horas de serviços comunitários junto ao Serviço de Limpeza Urbana. De acordo com o Tribunal de Justiça, o grupo concordou com a decisão.

Pichar uma edificação ou monumento urbano é considerado crime pela Lei Federal nº. 9.605/98, que prevê pena entre três meses e um ano de prisão, além de multa.

Se a prática for contra monumento tombado, a punição aumenta para seis meses a um ano de detenção, além de multa.

A lei prevê ainda que a pessoa que cometeu o crime pela primeira vez e que tem bons antecedentes pode ter uma pena alternativa, como a determinada para o grupo. Os cinco homens ficam, no entanto, impedidos de receber o mesmo benefício pelos próximos cinco anos e podem responder na área penal, caso descumpram a sentença.

viaG1 – Placas de sinalização para a Copa são pichadas em Brasília – notícias em Distrito Federal.

Atenção Usuário: Novos trabalhos de recuperação asfáltica na BR-101/SC

Uma faixa no Morro dos Cavalos será interrompida nestas segunda e terça-feiras

O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) realiza, nesta segunda-feira e terça-feira, serviços de reforço no pavimento asfáltico sobre as pistas da BR-101 Sul entre o km 231 ao km 235, segmento entre o início do Morro dos Cavalos ao rio Massiambú, em Palhoça. Para a execução dos trabalhos será necessária a interrupção em uma das faixas destinadas ao tráfego de veículos lentos.

Em caso de tempo instável, a melhoria no pavimento será interrompida e retornará quando as chuvas cessarem. A Polícia Rodoviária Federal vai monitorar o tráfego da rodovia enquanto houver atividades no segmento.

Para realização das melhorias haverá sinalização provisória disposta anteriormente ao local de obra, indicando a redução de velocidade pelos motoristas. Os usuário devem atentar também para a movimentação de trabalhadores e equipamentos em circulação, principalmente a entrada e saída dos caminhões basculantes.

27/05/2013

ASSESSORIA DE IMPRENSA – DNIT/SC

viaAtenção Usuário: Novos trabalhos de recuperação asfáltica na BR-101/SC — DNIT.

 

Moto partirá na frente de carros após a abertura do semáforo. Objetivo é evitar acidentes, diz companhia.

 

A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) implantou uma faixa exclusiva para a parada de motos em um cruzamento do Centro de São Paulo. O espaço fica entre a faixa de pedestre e o limite de parada dos carros. O objetivo é aumentar a segurança dos motociclistas para que eles possam partir após a abertura do semáforo antes que os carros e evite que as motos circulem entre os veículos.

A faixa de parada para motos é identificada apenas por sinalização horizontal. A companhia espera reduzir o número de acidentes. Segundo a CET, um terço das mortes no trânsito de São Paulo são de motociclistas.

Como mostrou o Bom Dia São Paulo desta quinta-feira (2), não há campanha informativa – um motociclista mostrado na reportagem não parou dentro do espaço exclusivo. Segundo a CET, a faixa das motos está em fase de teste e poderá ser estendida para outros cruzamentos da cidade.

Link para a reportagem completa: http://glo.bo/12sAeUM

Milhões de brasileiros pegam condução para o trabalho em pontos de ônibus caindo aos pedaços.  Por que, em tantas cidades, a manutenção é tão ruim? E se for montado um ponto de ônibus todo arrumadinho, será que os usuários vão cuidar bem dele?

Milhões de brasileiros usam os pontos de ônibus e sofrem com eles!

São Paulo, a maior capital do país, tem cerca de 19 mil pontos. Em um giro pela cidade, o Fantástico viu paradas de vários tipos. E alguns estragados.

“Não tem banco, não tem estrutura, sempre tem buracos por perto, acesso é difícil”, conta Gisele Aparecida dos Santos, professora de educação infantil.

Na Vila Brasilândia, na zona norte paulistana, o presidente da associação de moradores aponta mais um problema: “Lixo em todo canto. O muro arrebentado, que serve de armadilha para a prática de crimes”.

País afora, as reclamações se repetem. No Ceará, um morador enviou ao Fantástico imagens de um ponto,  à beira da estrada, em Morada Nova. “Seria um local para as pessoas se acomodarem e se sentarem, mas foi destruído por vândalos, que o quebraram”, ele conta.

Em Belém, faz sol o ano todo e chove quase todo dia. A maioria das paradas de ônibus não têm cobertura. E nos pontos de ônibus onde a prefeitura instalou as coberturas, também tem muita reclamação. Em um ponto, por exemplo, a estrutura foi montada em um trecho sem calçada, e há muito mato em volta. Muitos passageiros vão para a beira da pista para pegar os ônibus.

Em uma avenida de Teresina, o Fantástico encontrou situações opostas. De um lado, um ponto de ônibus com cobertura e banquinho, do outro lado, os usuários só contam mesmo com a ajuda dos vendedores ambulantes.

“Constrangedor, triste… A gente fica disputando lugar e sombra na barraca do senhor”, diz a vendedora Fabiana da Silva.

Cuiabá tem 2,5 pontos de ônibus, mas a maioria não tem abrigo para o passageiro se proteger da chuva e do sol forte. E alguns que têm o abrigo apresentam problemas.   Um deles é o campeão de reclamações. Parte da estrutura de ferro está ameaçando cair ao lado a fiação elétrica exposta.

“É difícil, não tem iluminação, quando chove aqui o pessoal fica todo tomando chuva”, reclama um passageiro.

Segundo o Ministério das Cidades, cada prefeitura é responsável por criar uma legislação para os pontos, de acordo com a necessidade local.

O professor de arquitetura Marcelo Barbosa analisou alguns pontos em São Paulo. “Não existe uma norma específica que defina que tem que ter um ponto. Tem as normas de acessibilidade, de ergonomia. Então, tem que ter uma cobertura eficiente contra os raios de sol e a incidência de chuva, tem que ter um assento bom, pode ser um banco mesmo. Tem que ter um piso adequado aos cadeirantes e portadores de deficiência visual. E tem que ter uma estrutura resistente para isso durar”, explica.

A capital paulista tem pontos em boas condições, com coberturas, bancos, alguns até com painel digital, que mostra quanto tempo falta para a chegada do ônibus. Mas são minoria. A prefeitura diz que para instalar um ponto como esses  analisa a demanda dos passageiros, além da estrutura e espaço das calçadas.

Alguns pontos velhos estão sendo trocados. Mas o modelo novo já sofre críticas. “Ele é bonito. Só que não é prático. Não protege que está esperando do sol”, diz uma jovem.

E que tal um ponto de ônibus com revistas, jornal, lixeira, copos descartáveis e água pra beber, lavar as mãos?

Ele existe em Campinas, interior de São Paulo. A iniciativa foi do professor aposentado Ahmed Atia El-Dash. Ele aproveitou o muro da casa que está construindo para o filho morar e mudou completamente o ponto feio e sujo, que também era alvo de vândalos.

“Foi surpresa, fiquei uns dias afastada e quando voltei estava lindo, maravilhoso”, diz Luci Pitoli da Silva, empregada doméstica.

“Lê uma reportagem, toma um copo de água, está limpo, claro, às vezes saio mais tarde também, era escuro e agora tem a luz”, diz Odinéia Santos, empregada doméstica.

“Faz quatro semanas, não tem uma gota de lixo no chão mais. Não quebraram nada”, conta o professor.

Será que a fórmula daria certo em uma grande capital? O Fantástico decidiu fazer o teste. Em um ponto de ônibus no Centro do Rio, colocamos flores, álcool gel para limpar as mãos, água, almofadas e até quadrinhos de decoração.

“Se durar uma hora é muito”, diz Paulo Roberto da Silva Soares, segurança.

Com uma câmera escondida, observamos as reações. Alguns ficaram desconfiados. Outros tiraram fotos. Mas teve gente que soube aproveitar o espaço. Durante as três horas que ficou montado, o ponto foi preservado.

“Muito bonito, uma coisa diferente, que poderia ser feita em todos os lugares”, analisa Rita de Cássia Ribeiro, assistente de vendas.

“Isso aqui é feito com dinheiro público, que sai do nosso bolso. Então a gente tem que cuidar como se fosse nosso, porque é nosso”, diz Patrick Martins de Araújo, fuzileiro naval.

viaFantástico – Blitz nacional encontra pontos de ônibus caindo aos pedaços.

 Conheça as soluções em mobiliário urbano da Sinasc

 

SENAC EM PALHOÇA

08/05/2013 – 16h05

Antônio Navarro Filho fez a revelação, ao prefeito Pitanta, durante reunião, no início da semana Diretores do Senac visitaram o prefeito Nirdo Artur Luz (Pitanta), para informar que a unidade de Palhoça deverá ser inaugurada no início de julho.

O diretor do Senac Palhoça, Antônio Navarro Filho, disse que a unidade a ser inaugurada vai atender a região compreendida entre Tijucas (ao norte) e Bom Retiro, na Serra Catarinense.

Pitanta disse que a chegada do Senac a Palhoça é aguardada com muita expectativa, por conta das “oportunidades que a entidade vai oferecer, principalmente aos jovens, que pretendem ingressar numa profissão”. O

prefeito comentou que “muitos empresários reclamam pela falta de mão de obra qualificada. O Senac vem para formar profissionais qualificados e reduzir essa deficiência”.

O Secretário de Indústria e Comércio, Anestor Denoni, que também participou da reunião, concorda com os argumentos do prefeito, e cita que uma das preocupações dos empresários é com relação ao nível de formação

profissional, disponível na cidade. “Quando um empresário planeja se instalar em Palhoça, logo questiona, sobre a qualificação profissional. Sempre digo que estamos bem, pois temos alunos formandos pela Faculdade Municipal

de Palhoça e outras instituições. Temos o Pronatec e agora vamos contar com a unidade do Senac”. Palhoça, com cerca de 150 mil habitantes, é um dos municípios que mais crescem no Estado, o que exige mão de obra

especializada.

A unidade do Senac em Palhoça será a segunda maior do Estado, com instalações e profissionais para ministrar cursos profissionalizantes, cursos técnicos e cursos de graduação e pós graduação.

O Senac é uma instituição mantida pelo setor empresarial, através de repasses de verbas federais, contando, ainda, com receita oriundas dos cursos que desenvolve.

Além das 22 escolas técnico-profissionais, mantidas em Santa Catarina, o Senac também opera com unidades móveis, constituídas por carretas devidamente equipadas, que oferecerem cursos de gestão, informática,

cozinha e saúde.

VISITA

Na terça-feira, 8 de maio, o Secretário de Indústria e Comércio, Anestor Denoni, se reuniu com a diretoria da empresa Mil e Um, que anunciou a construção da segunda unidade, em Palhoça. O diretor de Logística e

Expansão, Fábio Canellas, comentou que a empresa investe em Palhoça, porque “é um mercado muito promissor”. O grupo Mil e Um tem 40 unidades no Estado.

Luiz Carlos Baby Espíndola

Assessoria de Comunicação

Prefeitura de Palhoça

viaPrefeitura Municipal de Palhoça.

28/11/2012

Com o painel Considerações Iniciais para a Definição de um Padrão de Comunicação para as Ferrovias Brasileiras, realizado nesta tarde, os participantes do Seminário Internacional de Sinalização e Comunicação Ferroviária, realizado no auditório da ANTT, iniciaram as discussões sobre o futuro das ferrovias brasileiras.

Com a coordenação do Ministério dos Transportes e da ANTT, e com a participação de representantes da indústria ferroviária, um grupo de trabalho vai buscar definir o padrão a ser adotado pelas ferrovias. Esse padrão se transformará em norma da ABNT, que deverá ser adotada em todo o sistema.

O padrão para a comunicação e sinalização das futuras ferrovias vai tomar como base o modelo europeu (ERTMS – Sistema Europeu de Gerenciamento de Tráfego Ferroviário).

O Programa de Investimentos em Logística, lançado pelo governo em agosto, prevê a construção e remodelação de 10 mil km. As novas ferrovias funcionarão no sistema de “open access”, com o compartilhamento da malha por mais de um operador.

Sem a definição desse padrão de comunicação e sinalização, o modelo de “open access” enfrentará obstáculos para funcionar com eficiência.

Representantes das concessionárias Vale, ALL, MRS, CPT e Supervia apresentaram, na parte da manhã, suas experiências, que foram ampliadas com exemplos da Austrália, Japão e Europa.

Amanhã (quinta-feira – 29) no terceiro e último dia do seminário, o comitê brasileiro de sinalização e comunicações ferroviárias terá reuniões técnicas em separado com representantes dos modelos adotados nos EUA, na Austrália, no Japão e na Europa.

viaPainel debate padrão de sinalização e comunicação de ferrovias - Portal ANTT.

Dnit lança Boletim Eletrônico de Medição

Data:12/12/2012

Fonte:Comunicação Social do Serpro – Fortaleza

Cidadão acessará relatórios sobre obras e investimentos nas rodovias federais

Plataforma foi desenvolvida pelo Serpro com Zope/Plone

A partir de hoje, 12, está on-line uma nova ferramenta desenvolvida pelo Serpro em prol da transparência e do controle de gastos do governo pelo cidadão: é a interface do Boletim Eletrônico de Medição (BEM), disponível no portal do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit). “Qualquer pessoa pode acessar o BEM para acompanhar diretamente as medições e saber o que é pago mensalmente às empreiteiras contratadas pela autarquia”, destaca o coordenador da solução no Dnit, coronel Alexandre Laval.

Nesta primeira fase, Laval salienta que já é possível visualizar informações sobre 23 empreendimentos. Juntos, eles somam cerca de R$ 14 bilhões em investimentos. “Esses são os empreendimentos prioritários do PAC Rodoviário e constituem corredores logísticos importantes para a infraestrutura do país”, destaca o coordenador, ao citar o Programa de Aceleração do Crescimento voltado para a área rodoviária.

Prático e democrático

Obter informações pela página web do BEM é simples. Basta fazer uma busca por Estado, BR e trecho de obra. A partir daí, aparecem os contratos e os relatórios eletrônicos com as medições solicitadas.

“O documento contém a descrição de todas as quantidades e dos respectivos valores dos itens de serviços medidos, como volume de terraplanagem e pavimentação. É um resumo dos serviços executados e medidos”, ressalta Tiago Fetter, chefe da coordenação de negócios do Serpro que atende ao Dnit. “E, antes, existiam boletins de medição, mas eles tinham uma apresentação estritamente técnica, em uma linguagem de engenharia, e não estavam à disposição na internet. Já os boletins gerados pelo BEM possuem uma aparência nova e uma linguagem acessível à população”, reforça Fetter.

Modernização contínua

Além de permitir que o próprio cidadão seja um “fiscal virtual” das obras em rodovias federais, a criação do Boletim Eletrônico de Medição é ainda uma das etapas de um processo amplo de inovação e integração tecnológica realizada pelo Dnit em parceria com o Serpro. “O BEM é mais um módulo que foi acoplado à espinha dorsal dos sistemas de informação do Dnit, que executam desde o registro e aprovação de medições, até a geração dos boletins eletrônicos de medição e os pagamentos dos serviços executados”, explica Tiago Fetter.

Nessa espinha dorsal estão, por exemplo, o Sistema de Execução de Serviços Contratados (Siesc), lançado em julho nas versões móvel e web, e o Sistema de Acompanhamento de Contratos (Siac), reformulado recentemente. Integradas, suas bases de dados alimentam a plataforma do BEM e garantem confiabilidade às informações que chegam ao cidadão.

“Para que esses boletins eletrônicos fossem gerados, os atores envolvidos no processo de aprovação das medições dos 23 empreendimentos prioritários do PAC Rodoviário tiveram que adquirir certificação digital”, enfatiza Tiago Fetter. “É um projeto que indica uma mudança para uma gestão informatizada, ágil e transparente”, conclui o coronel Laval.

viaDnit lança Boletim Eletrônico de Medição — Portal Unificado Serpro.